quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

A Necessidade de Nascer de Novo

Desde que somos criaturas e pecadores, a verdade de Deus só pode ser recebida como uma dádiva de sua condescendência que vence nossa resistência instintiva a ele e ilumina nossas mentes obscurecidas. Em termo bíblicos, não podemos conhecer Deus e a sua verdade até que venhamos a nascer de novo (João 3.3).

Este milagre do novo nascimento e iluminação vem sempre associado a uma resposta ao evangelho (ou "boas novas") que se encontram no âmago da fé cristã. Esta maravilhosa mensagem a princípio não parece ser "boas" novas, pois ela nos confronta com nosso pecado, nossa fraqueza moral, nossa cegueira intelectual e o fato sombrio da ira de Deus contra nós. Mas, ao mesmo tempo, ela nos assegura do seu amor todo-poderoso pelos pecadores, expresso no dom de seu filho Jesus Cristo que morreu na cruz pelos homens e mulheres pecadores. O evangelho nos chama para afastar-nos do pecado e nos rendermos à misericórdia de Deus, que nos é oferecida em Cristo.

Ao responder a esse chamado, confiando simplesmente, experimentamos um novo começo em nossas vidas, um novo nascimento, e com ele uma nova capacidade para compreender a revelação de Deus e responder a ela. Se somos verdadeiros cristãos, esta primeira implicação já é uma realidade para nós, mas este axioma bíblico é muito importante: "Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus." Este princípio opera através de toda a nossa vida cristã. Deus apresenta esta verdade apenas aos humildes. À medida que nos aproximamos em completa dependência, reconhecendo nossa ignorância pecaminosa e nossa constante necessidade de iluminação divina, ele se inclina para nós em graça e nos concede repetidamente o dom da sua verdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reservo-me o direito de não publicar críticas negativas de "anônimos" (Este espaço visa à edificação e, em muitos casos, à instrução. Somente publicarei os comentários que atendam tais propósitos); Discordar não é problema, contudo, faça-o com educação (Não tolerarei palavreado torpe, ofensivo e inconveniente); Atenha-se ao conteúdo do texto (aqui não há espaço para personalismos ou críticas ad hominem)